sábado, 11 de outubro de 2008

A bela cor do Regato



Guardei minhas canções no exílio
Deixei meus desejos num raso barco ancorado as margens de teus labios
(sempre a espera de um marinheiro, que por ti, irá cruzar um bravio mar )

Ah, sonho em bem de perto fazer-te ouvir minhas juras de amor,
que agora tristes, gritam no rouco silêncio,
procurando teu cais para atracar

E quando escutares o bater de minhas águas, saiba que chego
então farei dos píncaros da noite, o fervor da alvorada
(e sentirás, sobre a pele, aquecer a ultima garoa...)

então o mais belo de tudo acontece ..
quando tua alma amanhece,
(livre parar abrir as portas de teu ninho, alegre para cantar)

e assim navego por teus olhos,
verdes como a ramaria
belos como a aurora
(e a alma, a singrar a toa)

amo por ti,
pois vejo em cada sorriso uma razão de poesia
em cada olhar uma unica harmonia

Me leva cada verso que me vai ao pensamento
da noite enluarada, a paixão que me alteia

Nenhum comentário: